Desembargador Nagib Slaibi Filho é homenageado

Desembargador Nagib Slaibi Filho é homenageado com retrato na Galeria de Conferencistas Eméritos da EMERJ

O desembargador Nagib Slaibi Filho foi homenageado nesta sexta-feira (9/10) pela Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro  com a inauguração de seu retrato na Galeria de Conferencistas Eméritos da Emerj. A cerimônia foi realizada virtualmente durante a webinar   ‘O Juiz’, apresentada pelo homenageado. Durante o seminário eletrônico, que emocionou o magistrado, foram exibidos vídeos destacando a trajetória do desembargador e depoimentos de magistrados, juristas, amigos e familiares. 

Participaram da homenagem o presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, desembargador Claudio de Mello Tavares; o diretor-geral da Emerj, desembargador André Gustavo Corrêa de Andrade; o corregedor-geral da Justiça, desembargador Bernardo Moreira Garcez Neto; e a juíza e vice-presidente do Fórum Permanente da Justiça na Era Digital, Maria Cristina Barros Gutiérrez Slaibi, esposa do desembargador Nagib. 

O presidente do TJRJ, desembargador Claudio Mello Tavares parabenizou a Emerj pela homenagem e ressaltou a importância do desembargador Nagib para o Judiciário do país. 

– Homenagear é reconhecer o destaque alheio e, com isso, exercitar a virtude da humildade, crucial para que o Judiciário cumpra seu papel com liberdade e responsabilidade. A inserção do desembargador Nagib Slaibi Filho na Galeria de Conferencistas Eméritos da Emerj, ao lado de nomes da comunidade jurídica da mais rebuscada formação e eloqüência ,é um dever moral que cumprimos hoje. Nagib é um dos grandes professores e juízes do nosso país e merece nosso eterno reconhecimento  – assinalou  o presidente do TJRJ. 

Para o diretor-geral da Emerj, desembargador André Andrade, a história do desembargador Nagib se integra à Escola. 

– O desembargador Nagib tem a sua história misturada com a história da Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Faz parte da Emerj desde a sua origem, desde o seu nascimento. É uma pessoa conhecida por tantos alunos e colegas pelo seu trabalho incessante em prol da disseminação do conhecimento jurídico. É uma honra muito grande homenagear esse grande magistrado e professor – disse. 

O corregedor-geral de Justiça, desembargador Bernardo Moreira Garcez enalteceu a coragem do desembargador homenageado como sua principal virtude. 

– Ouvi meus antecessores falarem dos predicados do desembargador Nagib, como jurista, como estudioso do Direito, como magistrado e como professor. O desembargador Nagib tem todos esses predicados. Mas eles são sustentados pela coragem. Por isso é uma honra estar aqui e Vossa Excelência sabe muito bem do respeito profissional que tenho pela sua carreira. 

Sem esconder a  emoção,  a juíza Maria Cristina Barros Gutierrez Slaibi também lembrou a trajetória de coragem do seu marido e sua dedicação à Emerj. 

– Estou muito emocionada.  A Emerj era um lugar de coração para ele (Nagib), onde sua alma flutuava. Sempre estava radiante. Ele deu tudo na Emerj, desde sua fundação, com o desembargador Fonseca Passos, um homem íntegro que ficou na história.  

 Antes de iniciar a webinar  ‘O Juiz’, o desembargador Nagib, também sensível ao reconhecimento, agradeceu à  Emerj e à s palavras carinhosas de todos. 

– É muito emocionante tudo. São pessoas caras para mim. Nessa homenagem eu me preparei para falar sobre o assunto predileto que é o juiz. E nesse assunto eu gostaria de destacar um trecho de um texto do desembargador José Roberto Nalini, onde frisa que o juiz é um intelectual. 

– “O recrutado a julgar é um intelectual. Trabalha intelectualmente, analisa o caso, procura soluções na lei, decide somente depois de adequadamente interpretá-la. Toda a sua atuação é algo que se desenvolve na esfera do intelecto” – citou.  

Durante sua exposição, o homenageado ressaltou a importância dos desembargadores Claudio Vianna de Lima e José Joaquim da Fonseca Passos pela criação da Emerj. 

– A Emerj é a escola do juiz. Integra o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, o centro da cultura e da nacionalidade. Instituída por intelectuais valorosos como os desembargadores Claudio  Vianna de Lima de José Joaquim da Fonseca Passos, honra a Justiça na aplicação do Direito em cada caso concreto – disse ele, que sugeriu o nome do desembargador Claudio Vianna de Lima para a Emerj e do desembargador Fonseca Passos para a Escola Judiciária Eleitoral. 

FONTE:  Assessoria de Imprensa do TJ/RJ  em 09/10/2020 23:08

 

 

 

Esta entrada foi publicada em Destaques. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta