Anuário da justiça fluminense será lançado

Anuário apresenta a Justiça do Rio vista por dentro

Anuário da Justiça Rio de Janeiro 2010 - ConJur

O Tribunal de Justiça do Rio visto por dentro, de maneira inédita, mostrando quem são os julgadores, como atuam e a tendência de voto de cada um. Todas essas informações fazem parte do Anuário da Justiça do Rio de Janeiro 2010, com lançamento marcado para o dia 14 de setembro, no auditório da Associação dos Magistrados Associação dos Magistrados do Estado do Rio de Janeiro (Amaerj). A obra faz parte da série editada e publicada pela revista eletrônica Consultor Jurídico, desde 2007, quando foi lançado, o Anuário da Justiça, atualmente em sua quarta edição, com o mapeamento completo de todos os tribunais superiores.

O Anuário da Justiça do Rio de Janeiro 2010 pretende ser uma fonte de referência diária para todos aqueles que atuam na área do Direito e da Justiça. Além do perfil dos 180 desembargadores, o anuário detalha a composição de todas as câmaras cíveis e criminais da Justiça fluminense, assim como as decisões mais importantes tomadas nos últimos 12 meses e os seus efeitos sobre a sociedade e a própria jurisprudência.

O cruzamento de informações sobre os casos julgados e o perfil dos desembargadores permite, com razoável grau de acerto antecipar como costuma votar os integrantes de cada câmara nos processos envolvendo as diversas áreas do Direito Público e Privado e na esfera criminal, assim como medir o comportamento de cada um deles no atendimento às partes do processo.

A Justiça de primeiro grau, a Justiça itinerante, Eleitoral e Trabalhista, os Juizados Especiais, o Ministério Público e a Justiça Federal, além da Procuradoria-Geral do Estado e a OAB também foram objetos de análise e acompanhamento pela ConJur. A obra mostra ainda o esforço do Judiciário do Rio para ingressar no novo ambiente da Justiça digital e o estágio em que se encontra em relação às metas estabelecidas pelo Conselho Nacional de Justiça para derrubar o fantasma da morosidade que paira sobre o Judiciário de todo o país.

A independência editorial e uma equipe altamente especializada, composta por jornalistas e editores da revista eletrônica Consultor Jurídico, além de uma rede de colaboradores que atuam diretamente nos tribunais tornam os anuários produzidos pela ConJur ferramentas de consultas diárias para aqueles que já estão ou logo estarão no mercado de trabalho, além de professores e historiadores. Com base nos anuários lançados até agora, a expectativa é que também o Anuário da Justiça do Rio de Janeiro 2010 torne-se uma obra de referência para todos aqueles que operam no ramo do Direito.

 Por Robson Pereira, apud CONJUR, edição de 31,08.2010

Esta entrada foi publicada em Destaques. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta